O Movimento Unificado dos Servidores Público agendou para o próximo sábado, às 10h, uma caminhada rumo a cadeia pública José Frederico Marquês, em Benfica, Zona Norte do Rio. A concentração será no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), de onde os servidores iniciarão o ato.

O protesto visa reforçar a falta de pagamento que os servidores enfrentam desde o fim de 2015. Até o momento, o Estado deve o 13º salário de 2016 a mais de 220 mil funcionários públicos, além de gratificações pendentes.

— A paciência dos servidores se esgotou com a falsa promessa do dia 27 (de quitar todos os atrasados). Todas as categorias vão em busca do dinheiro desviado pela quadrilha que se instalou no governo e na Alerj. enquanto Servidores ativos, aposentados e pensionistas, são torturados, sem o pagamento de salário e 13º para suas necessidades básicas, os políticos presos comem do bom e do melhor. Os servidores não podem continuar pagando essa conta — questionou Mesac Eflaín, um dos líderes do Muspe e presidente da Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Rio.

Sobre os salários mensais, a dívida recai sobre os meses de setembro e outubro. No caso de setembro, são quase 68 mil servidores. Já sobre o outubro, a pendência afeta a mais de 220 mil funcionários.

— Os servidores estaduais não suportam tanta enrolação do atual governo para pagar o que é sua obrigação. Portanto, desta vez, o protesto do MUSPE estará voltado para quem arruinou o Estado através da má gestão e da corrupção — lembrou Márcio Garcia, também integrante do Muspe e presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio.