Para celebrar o Dia do Papiloscopista, comemorado em 05 de fevereiro, a Associação dos Papiloscopistas Policiais do Estado do Rio de Janeiro (Appol), realizou nesta segunda-feira, 06/02, no auditório do Instituto de Identificação Felix Pacheco (IIFP), uma solenidade em homenagem aos profissionais da categoria.

A convite da Appol, o presidente da Coligação dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (Colpol-RJ), Fábio Neira, e o diretor de Interesse de Classe, Márcio Garcia, fizeram questão de prestigiar o evento: “É importante estarmos presentes, claro. É da valorização do policial civil como um todo que estamos falando.  Celebrar essa data é saudar nossos valorosos papiloscopistas, é estarmos juntos”, afirmou Neira.

Em sua fala, o diretor do IIFP, Márcio de Carvalho, saudou os profissionais da categoria, frisou o trabalho preciso desenvolvido por eles e pediu ajuda ao chefe da Polícia Civil, Carlos Augusto Leba, para que batalhe, junto ao Governo do Estado, pela convocação para nomeação dos aprovados no último concurso, que até hoje não foram chamados: “Nosso recurso humano é escasso, finito e envelhecido. Mesmo assim, é uma categoria guerreira, que faz de tudo para exercer com amor e comprometimento a sua função. E isso precisa ser valorizado”, disse Márcio.

Encerrando a cerimônia, Leba falou à plateia: “Neste dia em que comemoramos o Dia do Papiloscopista, eu quero dizer a todos vocês: não percam a esperança. Vocês  não estão sozinhos. E aliás, estão é de parabéns por terem demonstrado hoje, aqui, com a fala de cada um de vocês, tanto amor e dedicação ao trabalho que exercem. Isso precisa ser divulgado, sim. Mas precisamos também um olhar para nós mesmos de como fazermos para melhorar esse cenário atual. Precisamos de reflexão e de diagnóstico. Assim, repensando juntos, teremos então uma instituição cada vez mais forte, e não fragmentada.”

Marco Antônio Nogueira Campos, presidente da Appol, agradeceu a presença de cada um dos convidados e adiantou que o evento deu início a uma série de atividades que, ao longo do ano, celebrarão os 115 anos do IIFP: “Em dezembro de 1902, teve início o então chamado Gabinete de Identificação e Estatística da Polícia do Distrito Federal, que mais tarde, em 1941, passou a se chamar Félix Pacheco.”